quarta-feira, 1 de agosto de 2012

o passeio da mariposa



Sempre tive sorte com a poesia. Aos seis anos, uma mariposa entrou no meu ouvido. Imagino que ela achou lá um bom lugar pra morar, não queria sair por nada nesse mundo. Eu sentia suas asinhas batendo lá dentro: tac tac tac. Não me apavorei não; e mãe, também sempre dada à poesia (mesmo sem saber), foi buscar uma lanterna: botou bem na porta do meu ouvido, e vem ela de lá voando voando, a mariposa, feliz da vida com seu passeio...

2 comentários:

M. disse...

Muito lindo, muito poético. Bjs

Por que você faz poema? disse...

A poesia sempre foi minha predadora,
continuo preso em sua teia sem saber se serei devorado.