quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

sem poesia (à guisa de confissão)


O que tenho para dizer hoje não tem poesia, nem salvação. Nem uma gota de lirismo; e nenhuma gota de humor. Não é assunto para post, não é assunto para a vida. É assunto talvez para fantasmas, fantasmas eivados de maldade. Assistiram "Viridiana"? O mundo não está preparado para a doação. As pessoas têm cheiro de enxofre. As pessoas são visguentas, tem miasmas repugnantes, são hipócritas. Moro numa cidade em que o mal total da humanidade se concentrou. Nem vou dizer o nome dela porque terei a tentação de fazer um trocadilho, e este não terá a menor inventividade. Toda a concentração dos sem caráter, sem palavra, sem respeito está aqui. Ah se Gregório de Matos ainda vivesse! Eu o convidaria a passar uns dias na minha casa; e juntos poderíamos botar fogo nas ventas desses viventes. Há poesia no que digo? Nenhuma. Só Lampião e Corisco dariam cabo dessa demanda. Quem sabe depois disso nasceria um cordel.


Imagem: cena (terrível) do filme "Viridiana" (1961), de Luis Buñuel.

5 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Ué, eu vi poesia sim, e agora???? :-)

Beijos,

Naiana P. Freitas disse...

Aeronauta, mesmo desejando se esquivar do lirismo...acho que presente ele está...muito,muito como sempre..
abraço apertado!!

Led disse...

Eu sei que cidade é esta. E outros amargos adjetivos poderiam ser usados para caracterizá-la. Mas, vamos tentar não nos contaminar com tanta negatividade. Vamos vivendo... Parabéns pelo blog.

Arilda disse...

Quem sabe eu... de uma cidade de ventos fortes, talvez nem tão chique...mas que conheceu uma Aeronauta chique, subisse pelas escadarias de um lugar chamado admiração, e de lá soltasse milhares de fagulhas de poeticidade para ajudar a arrasar...não só com as ventas, mas com essa ventania que lhe atormenta a alma. Já que Gregório não está por aí... tem lugar para mim? RS. Muitos abraços.

aeronauta disse...

Arilda, que saudade. Li o texto de vocês, maravilhoso, fiquei comovida; ainda irei comentar no blog de Rogério (vou escrever pra ele também). Está me acontecendo tanta coisa por aqui que não está dando tempo matar as saudades de vocês por email. Bjos