segunda-feira, 26 de abril de 2010

comoção


Tenho verdadeira comoção pelo ser humano. Sua arrogância, seu apelo, sua solidão. Todos são doces, até aqueles que te ignoram ou te odeiam. Todos, em algum momento do dia, se curvam, flexíveis, diante da dor. E todos, inexplicavelmente todos, estão definitivamente perdidos. É isso que causa essa minha enorme comoção, a ponto de eu chorar forte por alguém que vi uma única vez na vida. Ou de vibrar, feliz, ao conhecer olhos adolescentes sem qualquer mácula, completamente abertos ao que virá. Sentir pele macia de bebê derreter-se em minhas mãos também é comoção, ternura se espalhando, vontade de reter o curso do mundo, guardando o bebê no fundo das mãos. E quantos olhos verdes, pretos, castanhos, azuis andando por aí, meu Deus. Para que tanta gente nas ruas, nos apartamentos, nas casas, nas varandas? Para que essa povoação sem fim, se tudo um dia envelhece e sofre e desaparece? Oh, como não amar quem me odeia se seremos, juntos, passageiros de Caronte; e possivelmente contaremos uma anedota enquanto atravessarmos o rio, para assim quebrarmos o tédio de uma existência fleumática e solene, distante e perdida... Diga-me, como não me comover com o império dos homens, se fotografias de pessoas bailando sempre desaparecem no porão do castelo?



Imagem: "La gente../La people.." Por foxspain.
(www.flickr.com)

11 comentários:

Janaina Amado disse...

Como não se comover com este seu texto lindo?

Gerana Damulakis disse...

Aí está uma das minhas angústias. Um dia, ainda pequena, coloquei questões parecidas para minha mãe e ela me disse que eu não pensasse muito nisso para não ficar maluca.

M. disse...

Sim, Janaina tem razão, seu texto é comovente, é lindo.

I.Moniz Pacheco disse...

Realmente. Bem disse Janaína. Comovente e lindo.

Flamarion Silva disse...

Oi, Aero.
Texto que nos toca. Revela maturidade emocional. E vemos tantos arrogantes a todo momento...
Obrigado pelo comentário lá no meu blog. Suas palavras são muito importantes para meu crescimento literário. Estou sem Internet, depois participo mais.
Beijo.

Anônimo disse...

Lindo lindo lindooooooo!!
Bípede Falante.

Chorik disse...

Vou me lembrar desse texto quando estiver na barca de Caronte.
Bj

Edu O. disse...

eu também me comovo e observo. comovo-me e observo-me.

Terráqueo disse...

Adoro os teus textos. Eles sempre tocam fundo.

Nilson disse...

O ser humano é isso: ridículo, sublime. Comovente o seu texto, sempre!

Andréia M. G. disse...

Há tanto tempo não passo por aqui e me deparo com um texto de arrepiar. Tocou em mim, muito. Esse é o efeito de suas palavras.
:-)