sexta-feira, 18 de março de 2011

Concorda?


Virgulino faz falta, minha irmã está certa. Mandar bala não é pra qualquer um, embora todos tenham vontade. Você não tem vontade? Então fique doente e vá procurar o médico. Logo logo você vai querer fazer uma carnificina: de um tiro só, apagar médico, enfermeira, secretária, o hospital inteiro. Não sei por que, mas acho que se eu tivesse coragem pra matar eu consideraria mais cômodo, mais estético, mais interessante matar com faca. Faca de cozinha bem amolada. Pode até ser faca de pão, qualquer uma fará o benefício maior: tirar da face da terra, com beleza, os excrementos, a podridão humana. A coisa de enfiar a faca entra macio, delicado, mais de que um tiro. Se bem que Virgulino com uma espingarda era algo bonito demais. Com a coragem dele eu estava feita: nada de sofrer na mão de gente estúpida, arrogante, com o nariz pra cima. Com a coragem de Lampião a primeira coisa que eu faria era ir direto pra um hospital. Chegando, com cara de doente, esperaria o maltrato. Teria a alegria infantil de decepar inicialmente o nariz da primeira pessoa que me atendesse mal. Claro, esse nariz seria o da secretária. Depois iria matando um por um que surgisse. Deixaria o médico para matar com requintes cruéis e estéticos. Era só esperar sua primeira insolência e o eliminaria com a minha bela faca de cozinha. Após tudo realizado eu, obviamente, iria dormir com o maior alívio que um ser humano pode ter, pois que essa coisa de dormir com alívio e tranquilidade só Virgulino e Corisco conheceram em sua plenitude.

6 comentários:

Bernardo Guimarães disse...

três observações:
1. virgulino, junto a luis gonzaga e ernesto guevara, foram meus idolos de juventude. só o velho lua não matava.
2. o relato me lembrou "jogos mortais"
3. por que tanto ódio pelos médicos, meudeus! hehehe...

aeronauta disse...

Bernardo, sei que existem poucos médicos como você.
A raiva dos médicos dá-se em decorrência do que sofri nos últimos dias: fiquei doente e passei muito mal diante dos terríveis atendimentos hospitalares. Abraços.

Maria Muadiê disse...

já eu, se coragem tivesse, preferiria matar a tiro.

Marcantonio disse...

Nossa. Kill Aeronauta (1)! Quentin Tarantino perde. Acho que nem vou ficar pensando muito nisso não, senão já já estarei considerando uma ou outra possibilidade. Certamente na área dos serviços públicos não faltariam alvos potenciais. Bem, mas o bom de um ficcionista é que ele pode fazer isso livremente. Rs. Lembrei da série "Inimigos" do artista Gil Vicente...

Abraço.

Heloisa disse...

Amiga, eu mandaria bala, se coragem tivesse, no pessoal do INSS, bancos, enfim, em todos os atendentes dos serviços aos direitos dos idosos e trabalhadores.Estou cansada de ser maltratada, em buscas de meus direitos,fico triste mas não desisto!Beijos querida! Deus a abençoe!

Anônimo disse...

Pensando assim,talvez a humanidade estaria hoje em extinção..quanta maldade,falta de educação,falta de humildade nos cercam hoje em dia e muitas vezes temos que ser tolerantes,mas no fundo ao invés da tolerância temos relamente a vontade de acabar de vez com toda essa podridão humana.