segunda-feira, 17 de outubro de 2011

amor


Como é que você sente que está na contramão? É quando você diz uma coisa e a maioria diz outra. Aí você fica ali com cara de besta, se perguntando se é um etê. Ou se está obsoleta, ou se é tabaroa, ou se é velha; enfim, você fica se perguntando coisas. O que você disse, incrível, ninguém ouviu, ninguém considerou; no entanto você tem plena convicção de que o que disse é sensato; aliás, mais do que sensato, é empírico, é vital. Vital. Essa palavra vem de vida, vísceras, estar vivo. Ué, mas tanta coisa está viva. O que há de errado no mundo? Respondo, com total convicção: a idiotia dos pseudo intelectuais e professores mestres e doutorores, e médicos e dentistas, enfim, todo o poder que reina nos que se consideram superiores em questões práticas do conhecimento. Amor é palavra de luxo, atestou num poema Adélia Prado. Atesto hoje: amor é palavra que tem a mesma conotação de lixo. Não vale mais nada. Não tem nenhum crédito na praça, muito menos como valor científico para formar pessoas humanas. Ninguém mais a considera como "recurso" indestrutível; se transformou em peça ordinária jogada no monturo, como pneu velho furado.

4 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Estou sempre na contramão,
amontoando meus
pneus velhos.

Anônimo disse...

Uaaal

Naiana P. Freitas disse...

oi!!

"O que há de errado no mundo? Respondo, com total convicção: a idiotia dos pseudo intelectuais e professores mestres e doutorores, e médicos e dentistas, enfim, todo o poder que reina nos que se consideram superiores em questões práticas do conhecimento."

Sempre diz dizer isso para todo mundo.. É triste mas hoje, o amor só existe em um vocábulo no dicionário, olha que resisto Aeronauta, mas mesmo na minha tentativa de resistir confirmo...eu não devia ter esses pensamentos.{risos}
abraços...

Lidi disse...

Pena mesmo, Aero, que não nos veremos na Bienal. Senti a tua falta em Cachoeira. Bjs