terça-feira, 25 de outubro de 2011

inventário


Deixamos tudo, desde que saímos.
A roupa no varal lá continuou, nesses anos todos.
Nossos vestidos, com o tempo, encurtaram
E as blusas, ensandecidas, continuaram
a balançar, a balançar, sem vento algum.
No batente da porta nossos chinelos
nem tão velhos eram, mas envelheceram.
E as botas que pai não teve
deram para andar, sem qualquer destino.



Imagem: "O que se perde no azul". In: www.google.com.br

5 comentários:

Lidi disse...

"E as blusas, ensandecidas, continuaram / a balançar, a balançar, sem vento algum."

Que imagem! Bjs, Aero.

Bípede Falante disse...

o que não se realiza parece que se dessonha...
beijoss

Naiana P. Freitas disse...

[adorei revê-la...não fiquei até o final porque chegaria muito tarde em casa]
Abraços!!
Naiana

Nilson disse...

Lindo! Imagens tão vívidas, poesia tão diáfana.

Ana Cecília disse...

Que bela esta casa sua! Certamente passarei a visitá-la.