quarta-feira, 7 de setembro de 2011

salve a pátria


Sempre quis ser baliza no sete de setembro. Baliza é aquela menina dançando, fazendo acrobacias na frente do desfile. De saia curta, com uma varinha na mão, ela dava ritmo e luz àquela coisa anódina chamado desfile; ela abria a fanfarra, toda fardada com esmero, doando festa às ruas. As pessoas acudiam à janela, prestigiando tudo, mas quem chamava a atenção mesmo era a baliza.
... Meu lugar no desfile era no fundão, como aluna anônima, segurando uma bandeirinha medíocre e marchando ridiculamente, sem ouvir o som da fanfarra, que ia lá frente, looonge. Eu era um triste fantochezinho da pátria. Nunca, nunca fui baliza, talvez o serei em outra vida, puxando o desfile anódino que também deve haver no outro mundo.



Imagem: Foto de uma menina chamada Naíra, que, evidentemente, um dia foi baliza; retirada do www.google.com.br

4 comentários:

Chorik disse...

Aero, você é a baliza da minha fanfarra literária!

Blog do Akira disse...

Aeronauta,
sem querer repetir o Chorik, voce é a primeira visita que faço quando acesso o desfile da blogosfera.
Um abraço.

aeronauta disse...

Chorik e Akira: que bom ouvir isso! Grata, muito grata. Abraços.

Bípede Falante disse...

Aero, eu um dia tive de desfilar lá em Vacaria, de sainha curta e varinha na mão, eu devia ter uns 10 anos, zero grau na rua, zero grau de vontade, baliza movida a beliscão de mãe. Resultado: desmaiei em frente a prefeitura que eu sempre fui chegada a um vexamão :) Não era o lugar que nos deixava infelizes, era a obrigação.
beijosss