terça-feira, 1 de junho de 2010

inexorável


Lembro-me bem quando conheci a palavra "inexorável". O Aurélio diz ser a pronúncia do x na verdade z; mas o mundo todo pronuncia o x como cs: inecsorável. Parece que assim a palavra fica mais poética, mais inexorável. Assim é a vida: inexorável. Parece inoxidável, porém inalcançável, tudo que tem que subir uma montanha com uma pedra na mão: Sísifo sem tréguas, aceitando sua pedra, seu destino, sua repetição. Talvez a maior destreza do mundo está em carregar essa pedra, em saber pronunciar, com a alma serena, a poeticidade dramática dessa palavra. O mais sábio convive com ela, afagando-a, como se afaga uma ferida quente. Pra que berrar, arrancar as roupas, se revoltar em praça pública? Pra quê? Que tudo se aquiete, e a palavra entre num verso, e leve, leve, carregue meu corpo pela montanha, flutuando, pedra se transformando, inerte, no mais doce algodão.



Imagem: "pluma-leveza", por mi mafeis.
(www.flickr.com)

5 comentários:

Edu O. disse...

Aero, vc arrasa!

Bípede Falante disse...

Leva-me, também, please :)

Anônimo disse...

Noutra ocasião deparei com esta palavra, letra de Geraldinho Lins, interpretada brilhantemente por Elba Ramalho em “A natureza das coisas”, agora você me presenteia com esta poesia.
Muito obrigado.

Gerana Damulakis disse...

Ninguém poderia fazer um texto melhor, um texto cujo tema é uma palavra. Só você.

Maria Muadiê disse...

também amo essa palavra