quarta-feira, 4 de agosto de 2010

nós dois


A minha história lírica eu a coloco no álbum antigo, com rendas nas bordas e aquele papel fino que antecede a fotografia. Os retratos são ovais, em preto e branco, e nós dois, sempre nós dois, lá nos encontramos. Em flashs oníricos você está sorrindo, e os olhos claros que sei verdes e fortes me acompanhando. De repente, de um salto, você estaciona o carro na porta e me espera: amigos, sempre amigos, entre um beijo e um abraço furtivos, amantes antigos, eu na sua casa, escondida, e a cidade em vigília. De muitas maneiras nós dois éramos puros, como crianças libidinosas, e nos amávamos, sabendo tocar o sonho e a realidade com dedos delicados. Nenhum de nós se feria; apenas cantávamos, e, sem saber, íamos a cada encontro colocando uma foto nesse álbum, que hoje nos observa.


Imagem: "Cien sonetos de amor", por Isa.
(www.flickr.com)

10 comentários:

Márcio Matos disse...

Minha prezada Aeronauta,

Conhecê-la por intermédio do extinto Cova rasa, foi uma das grandes fortunas que a blogosfera me proporcionou. Agora, prestes a lançar o meu primeiro romance, estou de volta à rede e também gostaria de compartilhar com você um pouco da inacreditável experiência de ter um livro publicado. É o público leitor, afinal, que determina o lugar de um escritor no mundo e a quem sempre devemos agradecer. Façamos do endereço www.suaveanomalia.blogspot.com mais um ponto de encontro virtual, espaço para bebedeiras literárias e discussões etílicas. Ah, espero vê-la no dia do lançamento, 19 de agosto, às 19:30, na Galeria do Livro do Espaço Unibanco Glauber Rocha (Praça Castro Alves). Forte abraço!

Márcio

Bípede Falante disse...

aero, pura poesia...

M. disse...

Lirismo absoluto. Amei.

Maria Muadiê disse...

poesia pura...adorável

Chorik disse...

Que álbum lindo não deve ser.

Gerana Damulakis disse...

O álbum ficou na minha cabeça. Belo trecho do livro que lerei um dia.

Flamarion Silva disse...

"(...) nós dois éramos puros, como crianças libidinosas, e nos amávamos, sabendo tocar o sonho e a realidade com dedos delicados."
Que bom que você é um ser sensível; melhor, por saber recolher da memória essa sensibilidade; feliz, por compartilhar conosco essa alegria de amar.
Beijos, Aero

Anônimo disse...

Lindo! Lindo! Lindo!
Viajei em nossas reminiscências. Confesso até que tive uma espécie de recaída, e quase saio daqui pra lhe surpreender com uma garrafa de vinho, uma música daquelas e, claro, um pouco menos de pureza. Rsrsrs.
Te admiro muito! E te miro também (rsrsrs).
Beijos,

Moniz Fiappo disse...

Não vejo a hora de ter o seu livro à mão para lê-lo de vez em quando. Gosto demais dos seus textos, tocam profundamente meu coração.

Anônimo disse...

Esse texto,me tocou profundamente. O álbum antigo, revela imagens de momentos inesqueciveis vividos a pouco tempo. Sua escrita toca a alma. Obrigado por nos alimentar com a boa poesia.