segunda-feira, 5 de março de 2012

Março chegou quieto, como uma casa grande e perplexa. E eu quieta, andando por ela, pé ante pé. Não sinto mais palavras me habitando, casa assombrada distante do mundo. Estou muda e não consigo meditar. Tenho saudade de antigos amigos, e de uma cidade antiga onde o único roubo que presenciei foi de uma sandália no batente da porta. Hoje tenho presenciado roubos maiores e não consigo atinar bem com isso. Naquele tempo em Andaraí quem me metia medo era Pastinha, doido pacífico, que andava pelas ruas segurando uma pasta ensebada. Andaraí se perde numa bruma triste, distante e inalcançável. Não existe mais doido pitoresco, não existe. Nem cidade pitoresca. Me desculpem a falta de jeito, ando por demais comovida nesses dias.

Um comentário:

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- a comoção é sempre parte do diálogo com o íntimo.