segunda-feira, 23 de abril de 2012

a poesia

Ontem passei o domingo inteiro selecionando nesse blog, e salvando no word, os poemas que tenho escrito nos últimos tempos. Arrumei, salvei, imprimi e constatei que é um livro. Batizei-o e guardei-o na gaveta. Todo esse movimento eu fiz pensando em algo estranho, misterioso e que se desenvolve quase sempre como uma pergunta:  por que é que escrevemos versos?  Desde os doze anos de idade tenho esse ofício, esse prazer, esse gosto, esse arrebatamento. Posso dizer com muita alegria e inocência que eu adoro escrever poemas. E quando consigo escrever um, a felicidade é muita, fico me sentindo em sintonia com os anjos. Não que a minha poesia seja boa, divina, essas coisas, mas quando consigo colocar no papel o que quero, o que vem, o que procuro nas palavras, eu me sinto leve, feliz, a despeito até da infelicidade que me moveu a escrever. Se não fosse esse movimento, não sei o que seria do meu desespero ou da minha alegria ou da minha inquietude - elementos que me motivam a buscar o poema. E juntar os poemas, imprimi-los com a ideia do livro é algo parecido com arrumar um filho nascido, penteá-lo e borrifar sua roupa com perfume. Sei o quanto é difícil publicar um livro, e o quanto é difícil divulgá-lo quando o publicamos. Na verdade, os poetas são os mais solitários de todos os homens. O mundo se interessa cada vez menos pela poesia, mesmo constatando a quantidade de poeta que há no mundo. É algo delicado demais um livro de poesia. Requer um público também delicado. Quem escreve poemas, e isso que vou dizer é truísmo,  escreve porque não pode viver sem escrever. E quando consegue escrever dois versos, que estavam sobrevoando sua sensibilidade às vezes há meses, sente-se um pouco em comunhão com o divino, aliviado e leve, na bem-aventurança que devem sentir os seres verdadeiramente religiosos.
No final das contas, o que importa para o poeta a não publicação de seu livro, a não divulgação de seu livro, quando o que ele mais queria conseguiu realizar? A palavra desceu de sua altura, subiu do seu abismo e o encontrou. Ainda que críticos e leitores não sintam o mesmo na leitura do poema, e ainda que sua poesia não seja lá essas coisas, o poeta - aquele que escreve poemas - se sente sempre um Grande, um Aliviado, um Escolhido: não dos homens, mas dos anjos, de Deus, tão inefável é o êxtase que experencia.

10 comentários:

Por que você faz poema? disse...

É bom guardar os poemas na gaveta mesmo, vez ou outra o blogger desativa alguma conta e ficamos a ver navios.

M. disse...

Querida amiga alada, que bom ter notícias do seu livro. Espero que em breve possamos tê-lo impresso na nossa mesa de cabeceira. Bjs, M.

Anônimo disse...

Poxa, Ângela, que lindo isso que você diz! Realmente, pra se dizer poeta tem que se ter internalizados estes sentimentos e sensações por você descritos. E eu lhe digo mais: poeta não é apenas uma pessoa que aprendeu fazer poesia, mas acima de tudo um jeito de ser e sentir as coisas, ainda que nunca as tenha colocado no papel.
Como você bem nos lembra, há poesia maior que o gesto de arrumar um filho? Eu, por exemplo, adoro fazer esta poesia quase diária, mesmo sob as sapitucas e reclames do pequeno.
Abraços, poetisa!
Vá arrumar seu livro, que é seu filho, lance-o ao mundo, e pouco importa o que vão achar dele.

Anônimo I

aeronauta disse...

Herculano: essa ideia do desaparecimento dos textos me atordoa.
M.: obrigada, amiga, por me ajudar a sonhar (publicar é sempre sonho, não tem jeito)
Anônimo I: você tem razão: não é preciso escrever poemas para ser poeta; poeta especialmente é o escolhido que também foi para sentir o mundo. Você, por exemplo, sempre foi um poeta, escrevendo ou não escrevendo versos. Aliás, poesia é algo inerente à sua aura, alma. Abraços;

Naiana P. de Freitas disse...

Ângela, primeiro acho o contrário:'[...]Não que a minha poesia seja boa, divina, essas coisas,..." [risos]Segundo, mesmo não escrevendo como você escreve, escrevo [acho]também por isso:"[...]Se não fosse esse movimento, não sei o que seria do meu desespero ou da minha alegria ou da minha inquietude".
Realmente todos os poemas postados desde Janeiro para cá cabem em um livro...Fiquei pensando nisso... Seus poemas trazem uma intensa delicadeza repleta de lirismo!!

Bípede Falante disse...

Viva!!
Mais um livro seu :)
Seu blog é uma obra de arte, Aero.
beijoss
BF

Anônimo disse...

g

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- que bom que compartilhou suas sensações. devo ser bem honesto e dizer que, quando termino um poema, sinto-me como uma centelha do infinito. chega até ser limitado dizer que isso é um prazer, não é mesmo?

grande abraço.

Maria Muadiê disse...

Um abraço.

Banho Veneno disse...

A maior verdade de um poeta, hoje tenho plena convicção, são seus versos. Descobrimos que somos poetas quando percebemos que não podemos fugir da palavra. Saudade de você...bjsss