terça-feira, 11 de março de 2008

Ciranda

É para ti esta carta. Pena que não terá envelope nem selo. Mas não deixará de ser uma carta, mesmo sem existir, no meio do caminho, um correio, uma fila e um atendente feio. A carta é como se fosse lançada para todos os lados, e lerás, de qualquer jeito. Se tocará tua alma? Sim, toco sempre tua alma, desde que a conheci. Mas chega! Como bem disse Quintana, "Conhecer o mistério de um corpo é talvez mais importante do que conhecer o mistério de uma alma". Os mistérios de tua alma são confusos demais, me deixam tonta! Já os mistérios de teu corpo, por que não desvendá-los como quem brinca de ciranda? É tão fácil, é tão fácil, deixe-me brincar... É tão fácil...: mãos que se apoiam, corpos que rodam, rodam, e cantam. Assim verás como eu era, quando criança; terás a felicidade de me ver menina, seios nascendo; e agora mulher... imensa, gigantesca, sobre ti, cantando, rodando, sorrindo...

2 comentários:

katherine funke disse...

olá! saudades de visitar sua aeronave. tenho tipo pouco tempo e enfim, a vida é assim. mas sempre que passo aqui fico feliz. essa dos mistérios do corpo está linda, tanto quanto deve ser sua alma!

Críticas Criticáveis disse...

d1981eita romântica...