domingo, 1 de novembro de 2009

estranhamente firme


Não que eu esteja engordando, mas aqui dentro, aqui, sinto-me com mais peso, e isso não me incomoda. Pelo contrário: parece-me que colocaram um apoio nas pernas, assim como fazem numa mesa que vacila. Sinto-me sólida, acho que é isso, sólida, firme, estranhamente firme. Decidida a permanecer, a olhar, a ficar. A nuvem evanescente, a líquida fragilidade de brisa, a lírica e extenuante fadiga - tudo, tudo condensou-se. O chão - mais compacto, o ar na medida certa, você na mesma altura que eu. Posso olhar o seu olho sem esticar o pescoço. Braços finalmente fortes, posso lhe mostrar o corpo, sem vergonha ou medo. Nem preciso encolher a barriga, ostento as pernas, o olho vesgo, os pés tortos, a composição íntima de minha mais extrema imperfeição. Sinto-me, sei não, uma casa pronta, inteira, cheia de varandas, janelas, painéis, teto desenhado com guirlandas de igrejas.




Imagem: "lá dentro, aqui fora", por dreamland.
(www.clickr.com)

14 comentários:

Chorik disse...

Ai como eu queria me sentir assim!

Maria Muadiê disse...

que texto lindo!

Gerana Damulakis disse...

Faz pouco tempo que coloquei o poema "A Mulher e a Casa", de Cabral, na postagem sobre os 10 anos sem ele. Você se faz casa neste texto, no que dialoga com Cabral de forma magistral: a própria mulher se dizendo casa, assim como o poeta já a descreveu como casa. Foi MARAVILHOSO!

Lidi disse...

Que maravilha! Ainda não me sinto assim, firme, mas fico muito feliz por você! Um beijo.

Edu O. disse...

Ter consciência de si mesmo... talvez seja isso o chão?

Bernardo Guimarães disse...

aeronauta no seu melhor estilo. mais um texto maravilhoso. se sente assim de fato, apesar de "estranhamente", que bom que esteja sólida.

Andréia M. G. disse...

É muito boa essa solidez. Um dos melhores textos que já li por aqui. Sinto bons ventos soprando. :-)

Nílson disse...

Demais esse texto. Sólido!

Edu O. disse...

Aero, obrigado pelo comentário sobre os trabalhos de minha mãe. A exposição ficará aberta de quarta a sábado de 16h as 20h e domingo a partir das 14h. Se o portão do teatro estiver fechado basta tocar a campanhia que os funcionários atendem. A abertura hoje foi linda!

Janaina Amado disse...

Angela Wilma, este seu texto é bonito. Fico feliz que você tenha aterrissado, sei (desde há pouco tempo) como isso faz bem a nós, afinal, somos bípedes implumes. Você voará sempre que quiser. Sem precisar desintegrar-se em nuvens. Sabe disso, não é?
Abraço grande, tava com saudade do seu blog.

em.dor.fina disse...

Obrigada pelos seus comentários no meu blog. São fortes quando vêm de quem a gente admira. Grande abraço!

I.Moniz Pacheco disse...

Nunca me sentí assim. Deve ser bom demais...

LÍVIA NATÁLIA disse...

Amiga, estou ficando repetitiva. Mas, que texto LINDO!

maria guimarães sampaio disse...

Essamenina... são textos "corridos" e são poesia pura!