terça-feira, 13 de maio de 2008

"mil reticências vezes mil"

Quem pode saber algo 'concreto' sobre o mundo, sobre a vida, especialmente sobre o futuro? Um menino de dezoito anos intuiu, antes de se misturar para sempre às águas do Rio São Francisco...

Dias, muitos dias depois, a mãe. Uma sala de aula. O menino. Três elementos da história que me esperava no fim da tarde, num curso de pós-graduação em literatura ministrado por mim.
A mãe me procurou no final da aula para me entregar um bilhete. O bilhete literário e vital que seu filho escreveu, sapiente do mundo, dias antes de ir se afogar no Velho Chico:

O homem que construiu a minha história é um Homem conhecedor do universo. É um verdadeiro sentimento da vida. Só sabe da minha história até aos 18 anos quem realmente convive comigo. Felicidade só tem quem busca e não tem medo; é por isso que sou feliz, pois sou um sonhador e conhecedor dos meus próprios objetivos.
O meu futuro são mil reticências vezes mil.

3 comentários:

Ives Röpke disse...

A mãe desse menino compartilhou com você a epígrafe da vida dele. Que coisa fantástica! Qual a sensação?

Imcompreendida disse...

"1000 ... X 1000"

Adorei!!!

Um abraço,

Anônimo disse...

Achei fortissimo esse bilhete. senti algumas lágriams nascerem dentro de mim.