domingo, 18 de outubro de 2009

pirlimpimpim


DEIXAI-ME, DESTINO

Deixai-me, Destino, ver-me menina
Andando num milharal antigo, a ouvir
Meus breves passos no chão...
Deixai-me.

Que nem é tarde ainda, mas minha mãe me chama
Para que eu a acompanhe...
E a manhã vai longe, caindo pelas casas
Que pouco a pouco encontramos...

Deixai-me, Destino, ir com ela de novo.
Meu vestido é curto, o mesmo de antes:
bordada na frente, uma carrocinha de flores.




Imagem: "Menina em Itatiaia" - Alberto da Veiga Guignard, óleo 1942
(www.flickr.c0m)

4 comentários:

Maria Muadiê disse...

bonito, Aero.
Tenho acompanhado seus escritos, mas as palavras que tenho pra dizer são só pra nós duas.
beijos

Gerana Damulakis disse...

Muito bom, pleno de música e emoção. Adorei,

Janaina Amado disse...

Fui lá encontrar a menina, tão bem representada na tela de Guignard. Emocionante.

Edu O. disse...

vivi de poesia esta semana, que bom encontrá-la aqui tb.