sexta-feira, 18 de maio de 2012

carta de amor


Tenho muitas caixinhas de guardados. Dentro delas encontram-se cartões; canetas que acabaram a tinta; bombons ausentes há muito; bilhetinhos de alunos; números de telefones sem seus donos; pedras riscadas com data e local, gargantilha com a letra "a" que nunca foi de prata e por isso hoje é escura ganhada do primeiro namorado, e todos os papéis que me trazem, de súbito, a Recife, quando lá me exilei.  Essa caixa, azul, traz principalmente mãe e suas cartas, sempre saudosas e poéticas, escritas no seu português mais íntimo, na sua letra desenhada e amorosa, numa sintaxe das mais sinceras, sem a pontuação que dispersa os sentimentos. Queria muito escanear uma dessas cartas aqui; mas não dá: é muita ternura para ser compartilhada. Deixo para vocês apenas a cópia de uma, com meu coração transbordando de amor pela pureza enorme da alma de quem a escreveu - a pessoa que mais amo nesse mundo.

"Neném

O fim destas é só para darte as minhas notícias e também quero saber as suas e aí como está está tudo bem? Melhorou o nervoso? Voçê não sabe como eu fiquei naquele dia que voçê ligou chorando só pensei que estáva com fome ou que estava sentindo alguma coisa agora vou falar sobre mim eu só não estou melhor porque em 2 mezes eu já perdi 2 unhas, e já tem outra doente estou escrevendo para voçê sentindo dores na unha já não estou mas suportando mas. Olhe fifi esta noite eu sonhei que eu e voçê fomos para andaraí com Zé irmão de Lurdinha quando chegou lá minha unha tinha ficado no carro de Zé. Acho que é porque estava doendo poriço eu estava sonhando.
Olhe fifi Vinícius a vida é pegar o telefone e ligar para voçê. Sim fifi você o filme que nos assistiu aquele dia de Fernanda Monte negro eu assisti. (...) Olhe fifi voçê da um abraço em Celia e dê lembranças para suas outras colegas daí do apartamento de onde voçê esta. Maísa e Vinícius está mandando lembranças estamos com saudades de voçê aseite o meu abraço com muitas saudades de voçê. Nada mas para o momento

Terezinha"




4 comentários:

M. disse...

Coisa mais linda, mais linda, mais linda. Tanta pureza, tanto amor.

Maria Muadiê disse...

sem palavras

Sandra disse...

Depois de ler seu escrito Ângela...o que me resta?!
Me resta correr e resgatar minha "caixinha de amor" com bilhetes de MÃE, cartões de MÃE, bronquinhas de MÃE. E compartilhar com ela, a "caixinha" que ela também tem...com cartinhas de FILHA, cartões de FILHA, amor de FILHA. Insubstituíveis!

Rose Mary Prates disse...

Como é bom ter um tempinho livre e encontrar coisas tão lindas de se ler. Já valeu o meu dia! Obrigada por compartilhar parte de uma intimidade tão pura! Obrigada de verdade!