domingo, 26 de agosto de 2007

Nunca me esqueci disso

A televisão demorou a chegar à minha cidade. Eu devia ter uns oito, nove anos quando isso aconteceu. Poucas pessoas possuíam o aparelho. Assim, tínhamos platéia todas as noites. As pessoas chegavam às seis e saíam às dez. Na época passava a novela "Maria Maria", em preto e branco, uma imagem enorme pois que a televisão que pai comprou era gigante. Mãe tratou logo de fazer uma capa de feltro verde para a digníssima da casa: desenhou um galo também gigante e escreveu com letras caprichadas: "TV Aratu Canal 4". Mãe sempre foi adepta do rádio, e demorou muito para assumir o seu amor pela televisão. Todos os anos, antes da televisão chegar, ela fazia questão de comprar um rádio novo. Colocava na cozinha, ligava pela manhã e só desligava à noite. A voz de Valdir Vieira ecoa até hoje, quando vejo o velho rádio sobre o guarda-louça de sua cozinha. Pois bem, encurtando a história: nunca me esqueci de uma conversa que ouvi de mãe com sua amiga, logo que pai comprou a famosa televisão. Ela dizia para a amiga que jamais trocaria o rádio por "aquilo". A outra ficou espantadíssima e perguntou o motivo de tal despautério. Ela argumentou que a televisão exigia sua presença na sala o tempo todo, enquanto que o rádio não - era só aumentar o volume e ela podia cozinhar, lavar pratos, ir ao quintal, fazer tudo. Minha mãe, sem saber, falava talvez sobre a liberdade... Ou sobre tantas outras coisas... Nunca me esqueci disso.

9 comentários:

Personagem Principal disse...

Também tenho cá minha aversão à TV. Como sua mãe, prefiro ainda o rádio.

Sua história deve ser de uma beleza sem tamanho...

Beijos.

aeronauta disse...

Oh, Personagem, seus comentários sempre me confortam... Grande abraço.

Luíza disse...

blogues também são uma forma de se ter liberdade.

Beijos

katherine funke disse...

a tv aprisiona a gente em muitos sentidos, tanto físicos quanto psíquicos - a tv aprisiona as pessoas em suas salas enquanto o resto da vida aguarda... salve a sabedoria de mãe que previu isso já no início de tudo!

Rafael disse...

Prefiro os dois, radio e tv. Comunicação eh tudo. Ateh sinal de fumaça. Abração.

ediney disse...

quem te contou a minha história ????????????//eu também tive uma televião que me chegou assim aos oito anos...;

Rafael disse...

Lindas, suas crönicas.Parabens.

aeronauta disse...

Obrigada a todos que pousaram nessa aeronave.
Luíza: que bom você voltar sempre por aqui!
Katherine: a mãe da gente é sempre sábia mesmo, não é?
Ediney: no fundo, no fundo, todas as nossas histórias são parecidas... Sinto isso.
Rafael: Obrigada pelos elogios e por estar sempre retornando ao aeronauta.
Beijos para todos.

Lidi disse...

Não consigo ficar muito tempo parada em frente da TV. Se a TV daqui de casa queimasse não me faria a menor falta (a não ser para assistir meus filmes). Prefiro estar na Internet. Tudo bem que ela também me prende, mas pelo menos fico presa a blogs como este, muito mais vantajoso!