domingo, 15 de março de 2009

Delicadezas


Vou a Ti
como quem vai,
antes e depois da Morte,
para onde lhe ordena o Destino...


("Poema da Fascinação", de Cecília Meireles)


Como gostaria de ser Cecília! Em um só movimento de lábios dizer tudo, dizer a alma inteira, "suavíssima", com todas as tristezas e resignações que a compõem.
Se hoje, num só segundo, eu fosse Cecília, conseguiria ser leve, como "qualquer coisa infinita..." Seria "silenciosa. Imprecisa. Etérea taça/ em que adormece luar... Delicadeza..." Eu poderia trazer a Ti, a ti - ser que nunca aparece para compor a cena - do limbo de todas as ausências.


Imagem: "ausências", por holanegra.
(www.flickr.com)

2 comentários:

Katia Borges disse...

Também queria isso, ser Cecília. Ter uma filha, quem sabe?, chamada Cecília. Uma pequena lembrança da poeta em minha casa. Beijo

Bernardo Guimarães disse...

o que dizer de cecília,
se tudo já foi dito
e muito há
o que se dizer.
como seus poemas.