quinta-feira, 19 de março de 2009

vestígios...


Não, não pude ir ao lançamento do Vestígios da Senhorita B. Não poderia ir. Estou condenada, como a própria Senhorita B., ao desaparecimento. Vocês nunca poderão me conhecer, porque simplesmente não sou aquela que vocês lêem. Estou condenada a viver dentro das mãos de alguém que usa um teclado como se fosse piano. O como se me define. Só vivo nesse espaço, entre as teclas. Aqui tenho rosto, corpo e superfície.
Não fui, no entanto lá estive. Não, não sou onipresente, onisciente; porém, como a própria Senhorita B., deixo vestígios. No lançamento esses estavam em minha irmã e em meu sobrinho: deles exalavam a minha presença invisível. Através deles conversei muito com Maria Sampaio, apertei as mãos de Bernardo, de Nilson e de Marcus. Conheci Marta, tão bela. E Miro, tão enigmático. Abracei Renata, feliz. E comemoramos juntos.


Imagem: Desculpe, Bernardo, o roubo da foto sem pedido prévio.

9 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

Você é da chuça carapuça, ó Aero!
Adorê a Menina da Ilha e Marcus Vinicius.
Beijos de Maria

Meninadailha disse...

Mesmo estando escondida entre mim e Vinícius, insisto em lhe dizer que é um desperdício não se deixar ver por pessoas tão encantadoras.
RECADO PARA RENATA:Seu lançamento foi mágico. Estávamos todos em total sintonia. Obrigada pelo livro de Vinícius. Queria ter lhe esperado, mas precisava pegar meu marido que estava dando aula. Aeronauta não mentiu quando disse que você é linda.(Não consegui deixar recado no seu blog porque não tenho mais a força da Meninadailha).Bjos meu e de Vinícius

Maria Muadiê disse...

Aero,
vou ser sincera: isso me deixa triste.

Chorik disse...

Eu quase te entendo. Bjs

Renata Belmonte disse...

Obrigada, Menina da Ilha! Amei vc ter ido, quase surtei de tanta emoção! Espero que vc goste do livro!
Bjs

Janaina Amado disse...

Ah, aero, ah Chorik, desculpem, mas eu não entendo, não: todo mundo lá (menos os que, como eu, por morar fora, não puderam ir), todo mundo lá, mostrando suas imperfeições, fraquezas, insignificâncias - menos Martha e Menina da Ilha, mostrando suas lindezas -, e você se autoexila entre as teclas do teclado?
Não vale!
Beijo!

aeronauta disse...

Marta e Janaína:
Se um dia eu aparecer pra vocês o blogue termina, eu termino. Bjos.

Nilson disse...

A Aeronauta, no entanto, pairava...

Eliana Mara Chiossi disse...

Não estou na foto. Mas estive lá. E conheci Renata e abracei minha já amiga Alex Leila. E então, se você estava lá também, nos vimos.
Você falou do Francis Ponge, lá no Mundo. Um amigo leu meus textos, me falou dele, que era um poeta que eu praticamente não tinha lido ainda.
E comecei a procurar material, comprei uns livros e putz, me identifiquei completamente. Tive aquele tipo de desejo: quero escrever como ele!

Beijos