sábado, 28 de março de 2009

Para Ulisses


Tenho um amigo chamado Ulisses. É, o Ulisses de Homero, o herói grego que ouviu o canto das sereias sem precisar perder a vida. Por isso, por ter 'ouvidos para ouvir', e ter escutado o que há de mais belo e inimaginável, ele conhece bem os mistérios desse canto. A generosidade e o lirismo de sua alma provêm de tal conhecimento - algo que foi concedido somente a ele, a mais ninguém.
Vim de sua casa agora (http://naugrafias.blogspot.com): lá ele conta sua odisséia, valente e tenaz guerreiro, menino com "punhos de aço"! Fiquei tão enternecida com sua 'valentia' infantil, seu texto terno, lírico, docemente humano...
Oh, Ulisses, sua história me fez lembrar da minha. A coisa que eu mais tinha medo na vida era de apanhar! Aí me recordo de um conselho que pai dava a mim e a minha irmã. Ele dizia: "Meninas, se alguém na escola quiser brigar com vocês, CORRAMMMM!" Esse "corram", tão imperativo, pra mim não significava covardia: era, na verdade, a senha pra que eu pudesse, sempre, me livrar de todo perigo que há na vida. Correr! Pernas pra que te quero!
Mas pra mãe e pra minha irmã essa senha era vergonhosa. Mãe replicava: "Nada disso. Se quiserem brigar com vocês, enfrentem. Se chegarem apanhadas da rua apanham em casa!" Pra minha irmã essas palavras significavam a redenção, propensa como sempre foi a uma boa e grande briga, forte que era. Ela dizia para pai: "Eu correr? Pra me chamarem de galinha choca?"
Oh, Ulisses, eu era uma galinha choca, pois assumia corajosamente minha "saída pela porta dos fundos": "Eu apanhar? Vou é correr", pensava assim quando via um colega com cara de bicho querendo me pegar na saída. E corria, corria; com pernas trôpegas e desajeitadas corria. Corria para, ainda, não morrer na panela, tal qual a famosa galinha clariceana. Corro até hoje.


Imagem: O barco de Ulisses. In: www.google.com.br

5 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

Aero,
o endereço certo do rapaz é:
http://naugrafias.blogspot.com

Ulisses disse...

Aeronauta, há muita generosidade em seu texto em relação a minha escrita (risos)... Você juntamente com outras escritoras blogueiras fantásticas (Lívia, Pantoja, Mara) reconectaram-me com a escrita menos utilitária e mais útil para a alma. Agradeço a todas vocês por isso. Fiquei emocionado, não com os elogios (como já disse, você é gerenosa demais!), mas com a força de sua escrita sinestésica...

M. disse...

Lindo texto, Moça com Asas, me tirou do chão, me tirou o peso, me lançou ao vento. Beijos.

Nilson disse...

Hoje você não corre mais: voa! Beleza de texto, pra variar. Gostei do Naugrafias.

Personagem Principal disse...

Como assim a última vez que vc me viu foi no lançamento do Vestígios? Vc estava lá, Nauta? NÃO ACREDITO! Perguntei a Rênate por vc e ela tinha me dito que vc não ía... Não acredito que a gente não se conheceu, sua chata! Hahahahha.

E tô sumida mesmo, meio sem saco e sem cabeça de atualizar o Embrulho. Qdo der uma folga, eu volto. Beijão e saudades.