quarta-feira, 3 de junho de 2009

Ele


Se pudesse defini-lo diria que ele é um doce de minha infância,
muito bem açucarado. As bordas do açúcar caindo dos lados, enchendo a minha boca de água.
Não, ele não é nenhum chocolate amargo, coisa que também adoro;
é algo que, me parece, mais derrete na saliva em êxtase silencioso, calmo.



Imagem: "Molho de carambolas", por Garfada.
(www.flickr.com)

11 comentários:

Marcus Gusmão disse...

O meu era doce de leite.

Janaina Amado disse...

Ambrosia! Doce de jaca dura! Goiabada! Tudo bem lambuzado.

maria guimarães sampaio disse...

doce-de-banana-de-rodinha (conhecido doce de puta) e torta-de-fruta-de-tia-i

M. disse...

Uau, ele é tão doce assim, é?

Bernardo Guimarães disse...

mixurra: doce de goiaba com banana e coco amassados...dos deuses!

imonizpacheco disse...

Geléia de araçá-mirim, cocada, mel de engenho com farinha... ai...

Chorik disse...

Opa, opa! Esse texto foi ficção ou uma metáfora deliciosa de uma paixão? Misteriosa e doce aero, abre um jogo menina! rs

Marcus Gusmão disse...

Cacete, agora que me toquei, só depois de M. e Chorik. Tomei 1x0 legal. Soraya me mostrou o título e me deixou ainda mais com cara de bestão.

Gerana Damulakis disse...

Prefiro entender como uma metáfora, fica mais apetitoso!

Nilson disse...

Eis o doce dos doces!!! Delícia de ambiguidade, como notou Celso!

Maria Muadiê disse...

hum...adoro doces...doce de puta fazia sempre no fogão de lenha da casa de minha avó Mariazinha, doce de tamarindo, de leite!