quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Apologia ao grotesco

Sempre tive uma certa queda pelo grotesco. A maioria de meus namorados nunca entrou na chamada beleza padrão. A beleza física não me comove tanto quanto a feiúra. O mundo é dos feios, fiquem sabendo. A família de pai, por exemplo, foi distintamente marcada pela feiúra. Todos, como dizem por aí, de mamando a caducando, são feios. Menos pai, claro, que sobressaía: talvez isso tenha atrapalhado um pouco nossa relação de filha e pai. Mas, convenhamos: há feios e feios. Há feiúras diferentes, que nos repugnam, ao invés de nos comover. Um dos paqueras que tive aos vinte anos era assim: repugnante. Parecia um ET, tinha a cara triangular. Até mãe, que nunca achou ninguém feio, quando o conheceu me chamou na cozinha com o olho arregalado, me perguntando o que era aquilo. Mas este, de fato, era feio mesmo; e um feio diferente, porque se achava bonito. Era arrogante: tirava fotos suas e mandava pra meio mundo de gente: chapelão preto na cabeça, relógio oriente enorme no pulso, corpo deitado na rede com um violão nas mãos; dedos de tentáculos segurando as cordas. Cor branca, de um sapo branquelo e envelhecido; vasta cabeleira preta, magrelo e metido a besta. Como se comover com tamanha feiúra? A beleza dos considerados feios está justamente na humildade comovente de se saber feio. Esse não: por isso retirei-o do caminho o mais rápido que pude. Fui me apaixonar anos depois por uma fera: tinha a cara de um bode e o mundo todo brilhava nos seus olhos. Era baixinho e me alcançava em todas as nuvens.

17 comentários:

Menina da Ilha disse...

Nunca entendi esse seu interesse pelos feios. Aquele do relogio oriente, que Deus me perdoe, mas a feiura doía. Nunca tinha visto um ser tão estranho pessoalmente. Ver você de mãos dadas com aquilo, me dava uma grande tristeza. Que bom que ele era mentido a besta.

M. disse...

Morri de rir, pois lembrei do que conversamos naquele almoço. Tudo o que você vive vira literatura da melhor qualidade. Beijos

Personagem Principal disse...

Hahahahahahah, eu tb sou pára-raio de feios, Nauta. Mas morri de rir, imaginando sua mãe te chamando na cozinha. Que figura! Beijocas.

Renata Belmonte disse...

Me acabando de rir! Ìmagino a cara de sua mãe!
Bjs

maria guimarães sampaio disse...

Pelo visto, suas leitoras todas nos acabamos de rir. Com certeza... cada uma de nós já "possuiu" seu feio, saiu de mãos dadas com seu feio. "você de mãos dadas com aquilo" é muito bom.

Petrus disse...

Em primeiro lugar, caso seja pra mim,nunca tive cara de bode e muito menos fui ou sou fera. Estou mais pra anjo, talvez caído e em crise, que busca a redenção. Mas se a feiura foi um meu atributo digo que me elevei dos pórticos, pois meu coração superou a fealdade e meu espírito que busca a justiça já tocou poucas almas.Poxa! Tá parecendo conversa de feio mesmo! E não vou dizer: "quem ama o feio bonito lhe parece" porque não sou feio.
Agora se não foi pra mim...tá tudo certo rsrsrsrsrsr Beijos

Bernardo Guimarães disse...

Os homens tambem riem deste caso. Otimo! E eu tambem já carreguei baranga e foram as que mais gostei. Só não admito falta de humor. Parodiando o poeta, as muito lindas que me perdoem mas as feias comigo têm vez!.

Nilson disse...

Sempre tive a teoria de que as pessoas de beleza realmente espantosa estão muito próximas da feiúra. Sabe aqueles traços que ressaltam? A verdadeira beleza é esquisita, então de repente vc só teria um senso aguçado para enxergar essas coisas. Será que é isso???

Kátia Borges disse...

Petrus, cê pode até não ser bonito, mas que nome lindo é esse? É de verdade, homem?

Marcus Gusmão disse...

Então tá fácil a gente se conhecer Aeronauta. Convido você para o TCA domingo, às 11 horas. A gente vai se reconhecer. Somos um casal com três crianças lindas. E você será a pessoa acompanhada com o mais feio da grande fila que vai se formar na porta do teatro.
Combinado? A gente não vai se desencontrar.

Anônimo disse...

Bom, em primeiro lugar, quero ressaltar que as 'aventuras' vividas por vc, Aeronauta, são tão engraçadas que parecem ficção, ou são ficção que se substanciam em verdade em um mundo tão carente de sonhos e risos.
Agora, me diga uma coisa, Aeronauta: se Deus só fez coisas bonitas, quem fez os feios? Porque aí está o grande mistério da vida, parece-me, então, que são poucos os filhos de Deus; a maioria da população,coitada, é, no máximo, agregada, adotiva, bastarda mesmo.
Ah, mas espero que vc escreva ainda sobre sua relação com os nomes, é muito engraçado como o feio te persegue também aí.

Graças a Deus, meu pai adotivo, que você existe para transformar coisas tão tristes, medonhas, feias, horrendas e tão comuns em lirismo puro, grotesco, muitas vezes, mas lirismo.

(João Neto)

Críticas Criticáveis disse...

concordo com o Bernardo feiura ate vai mais antipatia ngm merece. Com simpatia e inteligencia qq feiura eh perdoavel

Janaina Amado disse...

Feio? E o calor do corpo dele? A maciez do seu carinho? A ternura do cochicho, o amor do beijo, a proteção do abraço?
Aeronauta, gostei do seu blog. Vou voltar.

maria guimarães sampaio disse...

Estás ausente... não sabemos se abonaresmos as faltas!

Bernardo Guimarães disse...

CAdê você?
Vai nos deixar assim? órfãos dos otimos textos?
Ass.: seu fã nº1

Judith disse...

SEmpre quis saber o que seria de mim se não fossem aqueles que gostam das feias.
Eu, por minha vez, também gosto dos feinhos, mas não sei porque, a maioria dos namorados que tive foram bonitos.
Os feinhos são mais meigos, e até agradecidos, por encontrarem alguém que goste deles.
Não é?

Mas você se superou com seus comentários. Estou pocando de rir...

aeronauta disse...

RESPOSTAS:
Menina da ilha: o "trem" tinha mesmo cara de jenipapo, como você dizia.
Mônica: Obrigada pela generosidade ao me elogiar.
Personagem Principal: Realmente, a cena de mãe me chamando na cozinha é hilária.
Renata: A cara de mãe era de quem viu mesmo um extra-terrestre.
Maria Sampaio: Todo mundo tem uma história de seu feio para contar. Aguardo a sua.
Petrus: O que tinha cara de bode não foi você, mas não precisa ficar arrotando beleza por aqui.
Bernardo: Conte no seu blogue o caso das barangas! Conte!
Nilson: Você tem razão: a beleza é algo muito maior e complexa...
Kátia: O tal "Petrus" é pseudônimo de um antigo namorado que resolveu dar as caras por aqui.
Marcus: Infelizmente não deu para ir ao TCA...
João Neto: Você é que é uma figura lírica.
Críticas: Que bom que você apareceu! Anda sumido!
Janaína: Volte sempre! Você tem razão quando descreve esses detalhes.
Maria e Bernardo: Já já estou voltando... Obrigada por sentirem minha falta.
Judith: Os feios são animais dóceis. Menos o que narrei no post. Apareça sempre por aqui! Gosto de seus comentários.