segunda-feira, 8 de setembro de 2008

O sapato de tia Nói

Tem muitas coisas nas atitudes humanas que jamais irei entender. Como, por exemplo, o que deu na cabeça e nas mãos de tio Rael para ele resolver fazer um sapato de madeira. O homem nunca teve sapataria, nunca vendeu sapato, e de uma hora para outra encasquestou e fez um, dando-o de presente à esposa, minha tia: tia Nói, Noêmia. Mulher de pulso forte, fala corrida e muito nervoso nos gestos. Mulher que nunca levou desaforo para casa, e sempre gostou de tomar umas pinguinhas. Mulher danada de forte e braba. Mas que se rendeu aos encantos do sapato de madeira que tio Rael fez: não sei se pra agradar ao marido ou porque gostou mesmo. Só sei é que ela foi à feira da cidade com o dito cujo nos pés, feliz da vida. Deu muitas voltas na feira, foi na prefeitura, no banco, em todos os lugares. Mãe a encontrou se arrastando no passeio da rua, se apoiando nas paredes, com passo curto e pés calejados. Perguntou: "Noemi, o que foi?" Ela só gemia e mostrava o tamancão de madeira, feito literalmente a facão. Tentava andar, mas os pés estavam em chaga viva. As pernas já iam abertas, coitada, quando, ao se apoiar nas paredes, desistiu e pediu pelo amor de Deus que a salvassem. Mãe prontamente lhe ajudou, e ficou perturbadíssima com o que viu: um sapato do tamanho do mundo, madeira viva, altíssimo, com dois pregos quase soltos no solado. Mais perturbada ainda ficou pelo fato de não entender absolutamente nada sobre a intenção de tio Rael ao tirar da cachola e das mãos uma idéia miserável daquela.

7 comentários:

Menina da Ilha disse...

Aeronauta, se eu não soubesse da verdadeira adoração e submissão que tio Rafael nutria por Tia Nói, jurava que tinha sido feito com outro propósito.Tá muito bom!

Bernardo Guimarães disse...

Hilário! ri até não poder! imaginei toda a cena; tio Rael e tia Nói formam um casal perfeito: Sr. Sado+D. Masô ( sem se darem conta, é claro...)

maria guimarães sampaio disse...

Acredite, Aero, eu ri, gargalhei, saí correndo, me "orinando"! Quando voltei quase tudo de novo com o comentário de menina da ilha.

LÍVIA NATÁLIA disse...

Você se superou aeronauta. Suas histórias dão material pra muita literatura fantástica. rsrsrs

Nilson disse...

Muito bom. Aí vem a questão: as personagens dessa família são formatados pra literatura ou é o seu talento pra observar e contar? Ou são as duas coisas? Acho que são as duas coisas!

Maria Muadiê disse...

Uma boa observadora, isso o que vc é!
Muito bacanas e bem contadas as suas histórias, junto com as fotos dá um belo livro .
beijo

Petrus disse...

É uma história maravilhosa! Acho que uma prova de amor de ambos ou de loucura do casal, mas absolutamente fantástica. Adorei Aero!