segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Maísa


O poema abaixo, de Manuel Bandeira*, é em homenagem à Menina da Ilha.

MAÍSA

Um dia pensei um poema para Maísa
"Maísa não é isso
Maísa não é aquilo
Como e então que Maísa me comove me sacode me bulerversa me hipnotiza?

Muito simplesmente
Maísa não é isso mas Maísa tem aquilo
Maísa não é aquilo mas Maísa tem isto
Os olhos de Maísa são dois não sei quê dois não sei como diga dois Oceanos
Não-Pacíficos
A boca de Maísa é isto isso e aquilo
Quem fala mais em Maísa a boca ou ou os olhos?
Os olhos e a boca de Maísa se entendem os olhos dizem uma coisa e a boca
de Maísa se condói se contrai se contorce como a ostra viva em que se pingou uma gota de limão.
A boca de Maísa escanteia e os olhos de Maísa ficam sérios meu Deus como
os olhos de Maísa podem ser sérios e como
a boca de Maísa pode ser amarga!
Boca da noite (mas de repente alvorece num sorriso infantil inefável)"
Cacei imagens delirantes
Maísa podia não gostar
Cassei o poema.

Maísa reapareceu depois de longa ausência
Maísa emagreceu
Está melhor assim?
Nem melhor nem pior
Maísa não é um corpo
Maísa são dois olhos e uma boca

Essa é a Maísa da televisão
A Maísa que canta
A outra eu não conheço não
Não conheço de todo
Mas mando um beijo para ela.


*BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Record, s/d, p. 257.
Imagem:www.google.com.br

3 comentários:

Maria Muadiê disse...

uau!

maria guimarães sampaio disse...

Grande Bandeira.
Quando fui a Maricá poucos meses depois da morte de Maysa senti uma emoção tão forte... parecia que ela estava passeando na praia comigo. Gosto muito muito de Maysa.

sticker disse...

prada purse
prada uk
prada hand bags
miu miu
miu miu handbags