domingo, 8 de junho de 2008


Oh meu querido Mario Quintana, povoe essa noite de domingo com um pouco de seus "Apontamentos de História Sobrenatural" ...

"Um elevador lento e de ferragens Belle Époque
me leva ao antepenúltimo andar do céu,
cheio de espelhos baços e de poltronas como o hall
de qualquer um antigo Grande Hotel,"


Ah, meu querido amigo, só você me ouve nessa noite deserta, longa, longa, sem nenhuma pressa de ir embora...
Me escute, e sua tia Élida, como vai? Ainda lhe irrita com aquela história de você sempre deixar a lâmpada acesa? Oh, meu querido, como é estar aí nesse outro mundo? É possível daí passear em todos os tempos? Ler todos os livros de poesia que já existiram? Ah, sei... a biblioteca daí é sortida, e o ócio é melhor ainda. Conheço suas facetas escondidas de anjo que só gosta de brincar. Brincar com as palavras - vida que nunca termina, como a das crianças. Daqui aguardo suas notícias. Daqui, dessa noite de domingo, sem esperanças...

3 comentários:

Mônica Menezes disse...

Moça que voa, Quintana é excelente companhia. Quanta delicadeza. Beijos

Renata Belmonte disse...

Quintana: versinhos que se confundem com sonhos.
Bjs, querida!

Ives Röpke disse...

Quintana é ótima companhia para viagens etéreas. Sobretudo quando estamos cansados da mesmice do mundo.