domingo, 16 de novembro de 2008

Errata


Não, crianças, fiquem tranqüilas, nunca irei aparecer pra vocês. Menti pra'quele amigo que ficou acreditando que eu era Aeronauta. E os olhos dele brilharam diante de minha mentira. Posso me materializar em pessoas, entendem? Aí eu me materializei naquela professora linguaruda. Sou apenas neblina, coisa sem forma humana. Não existo sequer em mim. Por isso essa inadequação, essa vontade de ficar parada, girando o mundo; desenhando meu próprio vulto.


Imagem: www.flick.com

8 comentários:

Maria Judith. disse...

Mas se quiser aparecer, faça-o para os demais, não para mim. Você precisa se manter pairando nesse espaço que é só seu. Gosto demais que seja assim. Mas já sei de algumas coisas: vc é novinha, professora de literatura ou maravilha afim, solteira (porque quer, né?),mora sozinha, não tem animal em casa.
Recomendo um. Se quiser, é só dizer qual o seu prferido que eu entrego lá na livraria. Melhor amigo não há.

Bernardo Guimarães disse...

Ufa!...

Edu O. disse...

que texto lindo desse ser!

Maria Judith. disse...

Bem, se eu errei tudo foi porque não estudei você direito. Vou pesquisar mais nas postagens antigas, e em breve você se verá adivinhada por mim. Menos o nome e endereço...:)

Luli Facciolla disse...

Sabe... acho que o mistério faz parte da vida!

Se para ter os seus escritos, vc precisa estar anônima, então, prefiro vc escondida nas núvens...

Beijos

Chorik disse...

Oh aeronauta de tantas faces e nenhuma. Tens talento demais para uma neblina. Teus textos que te materializam. Suas palavras giram mundos, desenham teu vulto de menina. Bj

Bernardo Guimarães disse...

Ufa!...
é tão somente uma expressão de alívio;fiquei preocupado com a possibilidade de, num surto, vc marcar uma coletiva na livraria.
eu não vou! só falo atraves de Edilson.

Maria Judith. disse...

Hmmm, então você deve ser Bibliotecária. Não tem cachorro? Pois se assim for, acertei duas coisas: mora sozinha e não tem cachorro.