quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Um poema


ACALANTO

Não tenhas medo. Cedo ou tarde
A noite virá ao nosso encontro.
E sem espantos te aguardarei sorrindo
Como se estivesses em outro mundo.

Te aquieta. Não te preocupes.
As fadas dormem, por enquanto.
E os mantras que agora canto
São para ouvir o teu sono imenso.

Mas chegará a noite, eu te garanto.
E te acalentarei a contento:
No teu peito a minha alma nua
Voará inteiramente.


Imagem: irreal.blog

13 comentários:

Maria Muadiê disse...

Beleza, Aero. Amo a palvra acalanto...

maria guimarães sampaio disse...

Você manda bem tanto nos textos como na poesia.

Mayrant Gallo disse...

Mágico!

Bernardo Guimarães disse...

É uma bela de uma cantada!

Carlos Rafael Dias disse...

Que coisa linda, poeta!
Amansou-me completamente
Não tenho medo agora
Nem valentia

Kátia Borges disse...

Lindo poema, como sempre, daqueles que a gente lê, pára um pouco e fica, alguns minutos, refletindo.

Chorik disse...

Como é bom vir aqui!

Nilson disse...

Beleza de acalanto, vc devia postar mais poemas, embora os textos de prosa estejam cada dia melhores. A propósito, estive fora uns dias e quando volto vejo tanta coisa nova que fico tonto. Sensação de que perdi o melhor da festa, que é o post quentinho e os comentários todos. Adorei as reflexões sobre a aérea persona e a amizade, e que história essa de Livinha! Juro que não fico mais tanto tempo sem entrar na blogosfera!!!

Marta F. disse...

Delícia vir aqui, tomei um banho de paz...surpreendí-me.

M. disse...

Poesia linda, que nos invade, nos acalma, nos leva por aí...

Palatus disse...

Quando me perguntam, vc tem muitos livros de boas poesias em casa? eu digo, tenho, na net...eis aqui um exemplo.
Muito bom.

aeronauta disse...

Obrigada às duas Marias, a Mayrant, Bernardo (acertou: uma cantada!), Carlos Rafael, Kátia, Chorik, Nilson, Marta (onde encontrar um texto seu no CaririCult?), M. e Palatus!

SANDRO ORNELLAS disse...

Que delicadeza!