segunda-feira, 14 de julho de 2008

O mundo das nuvens

Vivo uma vida puramente imaginária. O vento gritando lá fora é muito mais vivo de que eu. Entrei nesse mundo da fabulação aos seis anos. Mentia por tudo e por nada, adorava inventar coisas. Até que pai e mãe resolveram tomar uma providência: me colocaram no catecismo. Lá aprendi que quem mente fica aleijado, e outras atrocidades. Papai Noel também fez das suas: mandou uma carta ameaçando não me dar presentes no Natal, caso continuasse mentirosa. Fiquei carola por um tempo, mas dentro de mim a mentira sempre imperou, forte, me levando para o mundo das nuvens, o mundo onde se pode viver de ausências, de ilusões, de frases suspeitas.

3 comentários:

M disse...

Eu sempre odiei o catecismo e inventava pecados só pra deixar o padre horrorizado. Felizmente, meus pais nunca me ensinaram a temer Deus, não muito.

Renata Belmonte disse...

Você devia ser uma adorável mentirosa!
Bjs

Anônimo disse...

Aeronauta, e hj vc ainda conta das suas mentiras???
p.