segunda-feira, 4 de agosto de 2008

deuses sem deus

Sempre amei errado, errado, errado. Meu amor desperdiçado extravasa nas bordas de tua alma. Que não me quer. Tua alma não me quer. Já fui em taróloga, cartomante, mãe de santo... em todos os lugares as cartas e os búzios diziam que tua alma me queria. Vejam só: o mundo místico pregando peça em mim, pois que os deuses sabem que sou crédula e resolveram armar uma pegadinha... Devem estar rindo agora, festejando mais uma coisa que não pode ser nesse mundo cão. Eles querem que desse sofrimento saia poesia. Os deuses dão tristezas aos homens para que eles possam cantar - está lá em Homero. Mas hoje, deuses, fiquem esperando: que não estou aqui para cantar não, mas pra prestar conta com vocês.

3 comentários:

Personagem Principal disse...

Texto lindo, Nauta! Há uma comunidade no orkut que nos define muito: "A melancolia me cai bem". A descrição se refere ao quanto uma pessoa produzir estando sob a influência desse sentimento. Beijos.

M. disse...

Moça de asas, é sempre tão bom te ler. Tudo aqui é poesia. Beijos, M.

Renata Belmonte disse...

Tenho enorme admiração por você!
Bjs