quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Tragicomédia

As crianças passam por grandes humilhações nas escolas. Desde que elas não saibam dizer não, a coisa fica bem pior. Eu não sabia dizer não e a professora me vestiu de Tiradentes. Me colocou no palco com uma mortalha e soltou as minhas tranças. Diante de mim um carrasco. E a corda? Não tinha. O menino que ficou de levar a corda não foi nesse dia. O carrasco fazia de conta que estava me enforcando com uma corda invisível, e eu parada, em pé, com a cara tristíssima... de vergonha. No fim do ato, saí andando, muito mais triste, ouvindo bem perto os risos algozes da platéia.

7 comentários:

M. disse...

Quantas histórias você tem pra contar, e como conta bem. Beijos.

maria guimarães sampaio disse...

Ah! escola primária... inferno de dante. Você não querendo participar da "representação". Eu querendo e nunca escolhida.

Maria Muadiê disse...

Escola...não é fácil, não. Acho que me impressionou tanto este período que hoje sou professora de crianças.

Carlos Rafael Dias disse...

Não sinto saudade de escola. Só da professorinha...

Personagem Principal disse...

Crianças sabem ser bastante cruéis. Não gosto nem de lembrar da minha época...
Bjs.

Bernardo Guimarães disse...

Eu fui literalmente "empurrado" para um palco vestido de coelho com uma fantasia de pelúcia, quente como o inferno e pra piorar, na hora da cambalhota, rasgou-se meu fundilho na direção da platéia. minha mãe na primeira fila.senti gosto de sangue na boca.

Críticas Criticáveis disse...

nada comparado ao dia q rasguei minha calca no dia da foto da turma hehehe