segunda-feira, 11 de agosto de 2008

"Sorri seus dentes de chumbo..."

Quando estou com raiva da vida não arrumo a casa. Cheguei de viagem ontem e a mala ainda está na sala. Na mesa um monte de sacolas, bolsas, livros. Na pia muitos muitos muitos pratos sujíssimos. No sofá um tédio do tamanho do cão. Em todos os aposentos da casa a Solidão achou de armar acampamento. A dita cuja gosta de lugar sujo, desarrumado, em desordem. Já eu não gosto. E por não gostar, fico fugindo: indo dormir, dormir, dormir. Mas coragem que é bom, nécas. Cadê coragem nos braços para enfrentar aquela pia? Para enfrentar a faxina do século? Cadê? A coragem está agora nas nuvens, brincando de se esconder com algum anjo cúmplice... Que esse negócio de trabalhar só é bom naquilo que a gente gosta. Oh, anjo cúmplice, dê-me uma palavrinha para eu fazer uma poesia. Vá, seja generoso... porque a Solidão, essa imunda, não inspira ninguém.

3 comentários:

Personagem Principal disse...

Quer ajuda com a louça? Por incrível que pareça, esse é um trabalho que eu gosto. :)

aeronauta disse...

É, uma ajuda com os pratos seria muito bom. Detesto esse serviço.

Menina da Ilha disse...

De não desarrumar mala, isso eu entendo. Ás vezes só desarrumo quando surge outra viagem. Gosto mesmo é de arrumar a mala, isso sim é que é bom. Arrumar o enxoval de Claudinha então, é uma belezura.