domingo, 24 de agosto de 2008

Em silêncio

Gosto do silêncio dos mais profundos, de pessoas silenciosas, de lugares sem rumores. Por isso tanto aprecio o vôo das borboletas.
Gosto por demais de uma conversinha caseira: mãe contando uns causos do tempo antigo, de antes de eu nascer. É puro silêncio.
E o olhar dele longe, longe, a me esquecer completamente... é silêncio dos mais sutis, como telefone sem voz em pleno domingo.
Sutis pra não dizer perversos, vocábulo barulhento como navalha.
Esqueça-me sutilmente mesmo. Silenciosamente.

10 comentários:

Judith disse...

Você traduz sentimentos com maestria. Obrigada.

Mônica Menezes disse...

Também gosto do silêncio, das conversas silenciosas e das borboletas. Bjs

Bernardo Guimarães disse...

em silêncio tambem busco viver aqui no interior, de onde mando notícias.

Renata Belmonte disse...

Obrigada, Nauta!
Bjs

Personagem Principal disse...

Não só gosto do silêncio, como procuro por ele a todo instante. Texto lindo! :)

Personagem Principal disse...

Nauta, super obrigada pelo comentário lá no blog. Muito lindo! Vc é um amor. Beijocas. :)

maria guimarães sampaio disse...

A melhor coisa de morar sozinha é o silêncio. Quando quero barulho, conversê e tal... sei onde encontrar. Também gosto.
Gosto muito, "Aeronauta"* é de ler como você sabe "falar" dessas coisas.
*lindo Personagem te chamar de Nauta, vou imitar e chamar de Aero!
Beijos de Maria

Palavras e co-lirius disse...

Também gosto de silêncio, odeio perder o equilíbrio quando o som está mais alto que o permitido por mim...não gosto de pensar que alguém bateu na porta e eu não o escutei.

Mas também não de ficar só...é ruim.

valeu por bons textos do teu blog nauta.

aeronauta disse...

Obrigada a todos que aqui compareceram para compartilhar comigo esse silêncio. Abraços.

Anônimo disse...

Como sao boas e silenciosas as mães nas fotografias
luis ronaldo